Setor lácteo é centro de debate no Noroeste do Estado

fenasoja leite

Múltiplas faces do setor lácteo foram abordadas em evento que reuniu lideranças regionais, extensionistas da Emater/RS-Ascar, pesquisadores da Embrapa, técnicos de cooperativas e empresas e representantes de sindicatos dos trabalhadores rurais de diferentes pontos do Noroeste gaúcho, na segunda-feira (21/12) em Santa Rosa, e na terça-feira (22/12) em Cerro Largo. O principal ponto do evento foi a palestra com o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, de Juiz de Fora (MG), Paulo do Carmo Martins. Segundo levantamento da Emater/RS-Ascar, a região de Santa Rosa, que contempla os 45 municípios dos Coredes Fronteira Noroeste e Missões, é a segunda maior produtora de leite do Estado, com produção anual de mais de 652 milhões de litros de leite.

Na abertura do evento, o assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar, na área de sistemas de produção animal, Ivar Kreutz, explanou sobre a conjuntura atual do leite na região. Nos 45 municípios de abrangência da Fronteira Noroeste e Missões é produzido em média 1 milhão e 700 mil litros de leite ao dia. “Em torno de 14 mil produtores da região vendem o leite para indústrias e queijarias e pelo menos 6 mil, produzem para o consumo familiar, o que não pode ser desprezado, pelo que representa na soberania alimentar e na economia das pessoas”, revelou Ivar. Além disso, há 22 agroindústrias de derivados de leite na região.

O engenheiro agrônomo ainda mostrou a preocupação em se pensar propostas para as aproximadas 6 mil famílias que produzem até 100 litros de leite por dia. Na outra ponta estão os produtores que produzem diariamente entre 1 mil e 2 mil litros de leite, que são em torno de 100, além de quatro produtores que produzem mais de 2.500 litros. “O setor leiteiro tem um papel social muito importante em nossa região, sendo garantia de renda mensal. Outro papel essencial é de levar alimentos de qualidade à mesa das nossas famílias”, comentou também a prefeita de Porto Vera Cruz, Vanice Mattos, que na oportunidade representou a Associação dos Municípios da Grande Santa Rosa.
Se por um lado foram apresentados os desafios do setor, por outro ficou evidenciada sua importância econômica e social no país, de modo especial, na região Sul. Entre os principais aspectos destacados na palestra, o pesquisador da Embrapa, Paulo do Carmo Martins, reiterou que, pela abrangência do setor, quando se faz alguma política para leite se gera emprego e renda de maneira disseminada no país inteiro. “Outro aspecto importante é o efeito desencadeador com outros setores, ou seja, toda vez que um laticínio sério se instala, ele gera efeito multiplicador na região em que é instalado”, afirmou Martins.

Em termos de vacas ordenhadas entre 2007 e 2014, a região Sul cresceu significativamente. Em Santa Catarina, o índice aumentou em torno de 58%, no Paraná, quase 28%, e no Rio Grande do Sul, 17%. “É um indicativo interessante porque não consigo aumentar significativamente a produção de leite sem aumentar o número de vacas, e se estou aumentando o número de vacas, significa dizer que tem alguém ganhando dinheiro com o leite”, acrescentou o pesquisador.

A região Sul conseguiu ampliar quase 5 bilhões de litros de leite em sete anos, saltando de 7,5 bilhões de litros para 12, 2 bilhões.

Entre as autoridades presentes estiveram também prefeitos, secretários municipais, gerente regional adjunto da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, José Vanderlei Waschburger, representantes da Associação Regional dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais da Grande Santa Rosa, da Regional Sindical Missões I e Regional Sindical Missões II.

O evento é uma realização da 21ª Feira Nacional da Soja (Fenasoja), contando com o apoio da Emater/RS-Ascar, Prefeitura de Santa Rosa, Associação dos Municípios da Grande Santa Rosa (AMGSR), Associação dos Municípios das Missões (AMM) e Central Sindical Regional, com o patrocínio da Cotrirosa, Clube do Produtor de Leite, Alibem, Sicredi, Coopermil, Cooperluz, Nutripampa, Alta Genetics e Itambé. Segundo o presidente da Fenasoja, Gerson Miguel Lauermann, “estão sendo realizados diversos eventos que antecedem a 21ª edição da feira, em diferentes setores em que a região é referência, sendo o apoio das parcerias essencial para o êxito destes”.